JOGO 26
Entre Amigos ENTRE AMIGOS

2

:

4

PIRAJUBAÉ Pirajubaé

03/09/2016 | 14:00 | Furadinho


Nas próprias pernas

EA jogou bem, mas falhas individuais custaram caro.
Foto: Marlon Silva

NOTÍCIA | 04/09/2016 | POR: THYAGO PACHECO
Em tarde chuvosa EA comete todos os erros possíveis e deixa escapar a vitória.

O EA viveu uma experiência no mínimo inexplicável no último sábado, quando viu um jogo que estava totalmente sob o seu controle ser virado e se transformar em goleada para o Pirajubaé.

Motivado com a volta de alguns jogadores, o EA entrou em campo com uma atitude bastante empolgante. Buscando o ataque a todo momento e não dando espaços defensivamente, o alvi rubro jogava de forma madura e produzia um volume de jogo interessante. Explorando principalmente as laterais, o time obrigou o Pirajubaé a deslocar seus zagueiros para a cobertura, dando espaços pelo meio onde Lê Cunha conseguia liberdade para pensar as jogadas e distribuir bolas com qualidade. E foi em um desses lances que o camisa 10 encontrou Huerique em ótima situação pela direita. Com uma linda finalização entre a trave e o goleiro que saía para cortar o cruzamento, o atacante deixou o EA em vantagem no placar.

Mesmo com o gol a seu favor, o EA não diminuiu o ritmo. Continuava pressionando o Pirajubaé em seu campo de defesa. O time visitante só não esmoreceu por ter jogadores de grande experiência que souberam manter a tranquilidade e aos poucos buscar os espaços para atacar. E isso começou a acontecer depois que, aos 20 minutos, Betão saiu com dores na panturrilha, dando lugar a Betinho. A falta de ritmo de jogo do lateral alvi rubro, que vinha de uma série de três jogos fora, foi logo percebida e explorada pelo Pirajubaé, que passou a atacar o EA com a sua própria estratégia. Forçando as jogadas pelas pontas, o time visitante acabou aproveitando algo que faltava para o EA até então: os chutes de fora da área. Buscando tirar proveito da grama molhada, o atacante pirajubaense arriscou um chute maroto, facilmente defendida por Luciano - ou não. O goleiro se atrapalhou após ter amortecido o chute e acabou soltando nos pés do jogador adversário, que não recusou o presente, empatando o jogo.

O gol, talvez da forma como foi, acabou causando um abalo muito profundo em todo o time do EA. A cada jogada a ansiedade e o nervosismo afloravam e os erros iam se multiplicando. Até que, ao interceptar um lançamento adversário, Adson, que tinha a bola em seu controle tentou uma jogada arriscada, optando por um passe para o companheiro dentro da área ao invés do chutão. A grama molhada dificultou o domínio e facilitou a vida do atacante que, ligado no lance roubou e rolou para dentro da área, encontrando o companheiro livre para marcar.

A virada destruiu completamente o ânimo alvi rubro que certamente respirou aliviado ao ouvir o apito do juiz terminando o primeiro tempo. Durante o intervalo seria possível colocar os nervos no lugar e, de forma organizada, buscar a virada na segunda etapa, o que era totalmente possível.

O time voltou melhor, com mais toque de bola e controle do jogo. Mesmo com o adversário motivado, o EA soube se postar em campo, buscando construir as jogadas sem desespero. Não demorou até que desse resultado. Em um lindo chute de perna direita, Lê Cunha colocou longe do alcance do goleiro, deixando o placar igualado.

Bastava não errar e continuar atacando da mesma forma que a virada viria. Mas...foi a vez do Pirajubaé mostrar sua qualidade. Em um lindo lançamento em profundidade, o camisa 11 do time amarelo apareceu como um raio na cara de Luciano e, com um lindo toque por cobertura, colocou o time visitante novamente em vantagem no placar.

Ainda era possível. Mas o EA errou novamente. No ataque, com boas chances desperdiçadas, principalmente com Thyago. A melhor delas, após receber cruzamento de Deyvson, acabou saindo por cima do gol após uma cabeçada mal executada. Na defesa, ao deixar o atacante do Pirajubaé livre dentro da pequena área para aproveitar um cruzamento e, com um giro de corpo esquisito, fazer um gol que nem mesmo o jogador ao fim da partida soube dizer com que parte do corpo foi.

O EA tentou se lançar ao ataque para buscar o resultado, mas o cansaço foi soberano e o gosto amargo, de uma derrota sofrida para si mesmo, permaneceu no paladar de jogadores e torcedores após a partida. O discurso dos jogadores, que buscava um tom de otimismo em meio a decepção, buscava trazer principalmente uma motivação para o futuro alvi rubro na competição.

- Lógico que é uma derrota dolorosa. Estávamos bem o jogo todo, mas vimos o adversário fazer três gols em falhas nossas. Porém é importante ressaltar que tivemos pontos positivos. Não jogamos mal, vimos alguns atletas aparecerem bem depois de um longo tempo de atuações apagadas. A fase não é boa, com certeza. Mas ninguém além de nós, em campo, poderá mudar isso. E eu posso afirmar que vi coisas hoje que me fizeram acreditar ainda mais que isso é possível. - declarou Lê Passos após a partida.

E com esse pensamento o EA terá que trabalhar durante a semana para o duro confronto do próximo sábado, contra o Alto Aririú. O jogo será na Arena, com início às 14 horas.



FICHA TÉCNICA