JOGO 27
Entre Amigos ENTRE AMIGOS

1

:

1

A. ALTO ARIRIU A. Alto Aririu

10/09/2016 | 14:00 | Furadinho



Cara de time

Nino saiu do banco de reservas para fazer o gol de empate do EA.
Foto: Marlon Silva

NOTÍCIA | 11/09/2016 | POR: THYAGO PACHECO
Com elenco recheado após longo tempo, EA volta a pontuar e aposta em renascimento.

Uma cena sonhada por muitos há meses. Depois de um longo período sofrendo com desfalques, o EA enfim chegou a Arena com uma delegação numerosa. O grande número de atletas a disposição acabou sendo a tônica do discurso de preleção no vestiário. E bem a tempo, já que o alvi rubro teria pela frente o fortíssimo time do Atlético Alto Aririu, em partida válida pela 27ª rodada do campeonato virtual.

O adversário parecia bastante focado em estragar a alegria do time da casa. Com uma forte marcação no meio de campo, o time dava poucas oportunidades ao EA na armação das jogadas, obrigando os volantes Deyvson e Isak por muitas vezes a abandonar a posição buscando a infiltração que, àquela altura parecia ser a melhor opção ofensiva do EA, que ficava com sua dupla de atacantes praticamente ilhada junto aos truculentos zagueiros adversários.

A estratégia ficou bem clara no decorrer do jogo: marcar de perto os meias Lê Passos e Lê Cunha, obrigando os volantes a saírem para o jogo, deixando vulnerável a linha de defesa do EA. Porém, faltou para o Alto Aririú contar com uma tarde ruim para os defensores alvi rubros, o que não aconteceu. Com uma atuação como não era vista há tempos, todos os jogadores da linha defensiva do EA praticamente eliminaram todas as tentativas adversárias. Betinho pareceu ter enfim encontrado seu bom futebol, com sua exibição sendo inclusive apontado por muitos como a melhor da temporada ao tempo que Adson, improvisado na lateral se mostrava uma excelente válvula de escape nas jogadas de ataque, o que só não perdurou devido o cansaço que o obrigou a pedir a substituição ainda no primeiro tempo. Carlinhos e Patrick, com precisão cirúrgica nos desarmes, tiveram ainda a colaboração brilhante do goleiro Juninho, que substituiu Luciano, na tarde de gala do sistema defensivo alvi rubro.

A tarde só não terminou 100% na defesa porque o único gol marcado pelo Alto Aririu no jogo foi ao converter o pênalti cometido em uma disputa de bola alçada na área do EA. Com o gol o EA teve um pouco do seu ímpeto abalado, mas parece que o efeito negativo foi ainda maior para o adversário, que passou a discutir muito asperamente entre si, causando inclusive um grande número de cartões amarelos em faltas visivelmente desnecessárias.

Durante o intervalo a comissão técnica tentou fazer um ajuste fino na equipe, mas sem mudar muito o jeito de jogar. A principal mudança foi a entrada de Nino, que voltava ao time depois de um longo tempo de inatividade. A mudança deu mais movimentação e principalmente chegada de ataque ao EA que aos poucos foi ganhando o controle da partida e mostrando um volume de jogo bastante interessante.

Nino estava disposto a recompensar o torcedor pela saudade que já apertava. E soube muito bem como ganhar a simpatia da massa alvi rubra. Com oportunismo o camisa 5 aproveitou a cobrança de escanteio de Lê Passos para, de cabeça, colocar o placar em igualdade.

O EA ainda teve outras boas chances de conseguir a virada, mas o placar terminou mesmo em 1 a 1. Para o EA, valeu principalmente como um momento, chamado por eles próprios de recontrução.

- Foi um empate em um jogo que buscávamos a vitória, lógico. Mas diante de um adversário de muita qualidade, que também exigiu muito de nós. Acho que o mais importante hoje foi mostrar ao nosso torcedor que não devemos jogar a toalha. Ainda tem muita coisa pela frente e o momento é de reconstrução. O elenco voltou a ter opções e isso é apenas um indício das coisas boas que virão pela frente. - declarou o lateral Betinho em entrevista coletiva após o jogo.

Se o momento é de ascensão, nada mais propício do que uma vitória fora de casa. E é isso que o EA terá que fazer no próximo sábado quando, em Biguaçu, enfrentará o Pradense. A partida tem início marcado para às 14 horas.



Juninho | GOL 8,5
Seguro em todas as vezes que foi exigido. Fez uma defesa milagrosa na segunda metade do segundo tempo. Pulou no lado certo no pênalti, mas não conseguiu chegar na bola, que foi muito bem batida.
Betinho | LAD 7,5
Atento na marcação e preciso nos lances de ataque. Bem posicionado o jogo todo e conseguiu mostrar segunça. Sua melhor atuação no ano.
Carlinhos | ZAD 8,0
Mudou a forma de marcação, optando por se manter sempre junto ao atacante, ao invés de dar espaço e tentar a antecipação. Funcionou. Com excelente tempo de bola, não deu chances aos perigosos atacantes adversários.
Patrick | ZAE 8,0
A classe de sempre nos desarmes e principalmente saídas de bola. O time ganha outra cara quando conta com a sua atuação. Chamou a responsabilidade e tranquilizou principalmente, os laterais Adson e Erick, que apresentava nervosismo.
Adson | LAE 7,0
Procurou jogar de forma simples e foi muito eficiente. Apareceu bem no ataque e na defesa ganhou diversas divididas com seu jeito trombador característico. Sentiu o cansaço da lateral e saiu ainda no primeiro tempo.
Deyvson | VOL 8,0
Fundamental no sistema defensivo, associa velocidade e precisão. Conseguiu aparecer como elemento surpresa por diversas vezes no ataque. Não conseguiu a mesma eficácia nas cobranças de falta como de costume.
Isak | VOL 6,5
Forte e com bom passe, deu fôlego a defesa e municiou principalmente os laterais, sendo responsável por sua boa atuação. Exagerou em um lance bobo e acabou expulso de forma infantil.
Lê Passos | MED 7,5
Chamou o jogo para si, como de costume e realizou a maioria das jogadas de contra-ataque. Foi muito marcado e não conseguiu realizar muitas finalizações. Errou passes como não costuma fazer, ainda assim se destacou pela entrega.
Lê Cunha | MEE 6,0
Apagado ofensivamente. Tentou ajudar na recomposição defensiva e brigou por várias bolas, mas deixou o time refém da sua principal virtude, a armação de jogadas. Nas duas vezes que tentou acionar os atacantes, errou o passe.
Huérique | ATA 7,0
Buscou o jogo o tempo todo, mas ainda não conseguiu entender a mudança na movimentação ao jogar como segundo atacante. Por muitas vezes centralizou demais e dificultou a vida dos meias ao procurá-lo. Saiu no intervalo.
Thyago | ATA 5,0
Longe do rendimento ideal para o homem gol do time. Se movimentou bastante, mas não teve nenhuma efetividade. Não foi acionado e praticamente não tocou na bola, mesmo ficando em campo até a metade do segundo tempo.
Nino | VOL 9,0
Mostrou porque é considerado um dos melhores jogadores do time. Além de fazer o gol, deu diversas opções aos companheiros, além de não economizar na raça e entrega. Sofreu e fez várias faltas na ânsia de ajudar o time.
Renê | ATA 7,0
Sem estar 100% recuperado da lesão nas costas, entrou para dar uma opção de ataque melhor que Thyago vinha fazendo. Conseguiu combater os zagueiros adversários, mas não teve vida fácil.
Diego Balada | ATA 7,0
Se movimentou bem pelas diagonais e fez um excelente trabalho como pivô. Criou boas opções pelos lados do campo e teve um belo chute cortado em cima da linha pelo zagueiro.
Vini Balada | MED 7,0
Não conseguiu espaço para seus perigosos chutes de perna direita. Na única chance que conseguiu, jogou por cima do gol. Lutou bastante e cometeu algumas faltas, sendo inclusive, punido com cartão amarelo.