JOGO 31
Entre Amigos ENTRE AMIGOS

3

:

1

BOTAFOGO Botafogo

08/10/2016 | 14:00 | Furadinho



Haja coração

Jogo emocionante trouxe a vitória ao EA.
Foto: Adson Farias

NOTÍCIA | 10/10/2016 | POR: THYAGO PACHECO
Em tarde dos gols perdidos, EA reencontra caminho da vitória.

Já não era sem tempo. No último sábado o torcedor alvi rubro pode enfim soltar o grito de vitória, preso na garganta desde o triunfo diante do Ilhéus, no dia 25 de junho. Mas, dizer que a vitória veio sem emoção seria uma grande mentira.

O jogo reunia duas equipes com pensamentos e condições iguais. Buscando a reação, o Botafogo sofria com a falta de atletas e precisou de uma verdadeira engenharia para definir os onze titulares que iriam a campo. Quadro não muito diferente do time da casa. Com problemas de elenco desde o início da temporada, o EA vive agora uma fase mais confortável, mas ainda longe da ideal no quesito plantel.

Mas enganou-se quem pensou que dois times recheados de desfalques proporcionariam um jogo feio. Com propostas extremamente ofensivas, as duas equipes travaram um confronto franco, com diversos lances de tirar o fôlego. A grande maioria deles protagonizadas pelo ataque alvi rubro, que se iniciou logo nos primeiros segundos de jogo. Vini recebeu cruzamento nas costas da defesa, teve tempo de dominar, ajeitar o corpo e bater colocado. Porém a partir desse momento entraria em cena o grande protagonista do time visitante, o goleiro Dalci. O camisa 1 do Botafogo impediu pelo menos cinco chances claras de gol do EA só no primeiro tempo. Todos os principais jogadores do EA viram suas tentativas serem frustradas pelo goleiro ou por seus zagueiros. A cada lance a tensão nas arquibancadas só aumentava, assim como a motivação do Botafogo.

Sabe aquele velho ditado, do "quem não faz..."? Pois é, o EA sofreu o duro golpe de ver uma das poucas oportunidades do adversário se converter em gol. Após lançamento em profundidade, a defesa tentou fazer a linha de impedimento, mas o atacante do time amarelo foi mais esperto e conseguiu se colocar de forma legal para receber e com tranquilidade, colocar no canto de Juninho, abrindo o placar.

O gol abalou o EA, que passou a errar passes bobos e discutir entre si. O trio ofensivo formado por Lê Passos, Vini e Renê não conseguia vazar a defesa do Botafogo. Era momento de outro jogador aparecer, e ele apareceu. Lê Cunha teve duas oportunidades no primeiro tempo. Na primeira tentou um passe e foi cobrado por não arriscar o chute. Na segunda, mostrando que aprendeu a lição, tocou com sutileza no canto direito do goleiro e empatou a partida. O placar em igualdade no fim do primeiro tempo era tudo que o EA precisava.

No segundo tempo as coisas começaram a melhorar. Lê Passos recuou para ajudar nas armações das jogadas e o EA se tornou mais intenso nas ações ofensivas. E após a cobrança de escanteio, Lê Cunha, com muito oportunismo, chegou para tocar por baixo do goleiro e deixar o EA em vantagem no placar.

A partir daí o jogo ganhou outro cenário. Enquanto o EA partia com tudo para liquidar a fatura, o Botafogo buscava um milagre, lutando contra a fadiga dos jogadores e a atuação impecável do EA que soube taticamente anular a maioria das jogadas adversárias. Betinho e Betão (improvisado na lateral) foram taticamente perfeitos e o EA dispunha de uma enorme variedade de jogadas de ataque a sua disposição. E em uma delas saiu o gol mais bonito da tarde. Lê Passos recebeu no meio do campo, deu um giro sobre o adversário e lançou com açucar para Vini que dessa vez não deu chances ao goleiro. 3 a 1 e fim de papo na Arena.

Após a partida o discurso dos jogadores refletia a alegria pela vitória, mas sempre com preocupação com relação a campanha na temporada, que está longe de ser considerada razoável.

- Foi maravilhoso. Precisávamos dessa vitória para nos dar forças para continuar batalhando. A situação é complicada sim, mas o time está unido e focado e tenho certeza que tudo irá melhorar a partir daqui. - declarou o zagueiro Patrick.

Após o jogo os atletas comemoraram com um churrasco oferecido pela diretoria. Mas o trabalho duro já se iniciou nessa segunda-feira, com o início da preparação para a partida contra o Casquinha, no próximo sábado às 16 horas.



Juninho | GOL 7,0
Mostrou agilidade e pecisão nas vezes que foi exigido. Atento nas saídas do gol e bastante comunicativo, orientando os companheiros a todo momento.
Betão | LAD 8,5
Improvisado na lateral, mostrou inteligência e esbanjou vontade, vencendo a maioria das disputas de bola. Poderia ter trabalhado mais vezes em parceria com Lê Passos pela direita.
Carlinhos | ZAD 5,5
Mal posicionado durante o primeiro tempo, deixou muito espaço para os lançamentos, o que acabou resultando no primeiro gol do adversário. Corrigiu na segunda etapa e não comprometeu mais.
Patrick | ZAE 9,0
Perfeito nas coberturas, desarmes e saídas de bola. Orientou companheiros e chamou a responsabilidade pra si. Tecnicamente o melhor em campo.
Betinho | LAE 8,0
Voltou a jogar bem após uma apresentação horrível na semana anterior. Consciente e cauteloso, foi bem na marcação e avançou para o ataque com grande velocidade. Por estar jogando na esquerda, não fez cruzamentos para os atacantes.
Deyvson | VOL 7,5
Sua excelente capacidade de recuperação continua sendo o grande trunfo do EA no segundo turno. Novamente incansável na marcação, tranquilizou a vida dos zagueiros. Precisa arriscar o chute nas vezes em que aparece na área como homem surpresa.
Nino | MED 7,5
Seu estilo dinâmico e brigador sempre proporciona mais intensidade ao meio campo do EA. Novamente se mostrou essencial para a vitória, sendo uma das principais válvulas de escape do time.
Lê Cunha | MEE 8,0
Se na função de armador não foi brilhante, se mostrou decisivo quando esteve dentro da área. De quatro oportunidades, fez dois gols, teve um terceiro tirado em cima da linha pelo próprio companheiro e outro que preferiu o passe ao chute. Excelente aproveitamento.
Lê Passos | ATA 7,5
Pouco acionado no primeiro tempo, se mostrou extremamente nervoso, reclamando em excesso e perdendo a concentração em diversos lances. Ao recuar no segundo tempo, participou muito mais do jogo e deu um lindo passe para o terceiro gol do EA.
Vini Balada | ATA 7,5
Buscou muito mais armar jogadas do que fazer os gols. Ainda assim foi importante taticamente ao abrir a marcação adversária. Depois de algumas chances claras desperdiçadas, marcou o gol que fechou o placar.
Renê | ATA 6,0
Bem marcado, teve poucas chances de gol. Na mais clara delas viu o zagueiro adversário tirar de cima da linha. Continuou brigando muito pela posse de bola, e deu o passe para o primeiro gol do EA. Saiu no intervalo.
Thyago | ATA 5,5
Teve duas chances de gol e não foi feliz em ambas. Na melhor delas, chutou fraco e facilitou a defesa do goleiro adversário. Pouco efetivo tecnicamente.
Huérique | ATA 5,0
Teve em seus pés as chances mais claras de gol, três ao todo. Depois de desperdiçar a primeira acabou se abatendo e aos poucos se apagando no jogo. Pesou a falta de experiência para encarar a dificuldade.