JOGO 05
Amigos da Bohemia amigos da bohemia 3 : 0 entre amigos Entre Amigos
01/04/2017 | 14:00 | Furadinho


Prejuízo

Deyvson recebe tratamento médico no gramado. Jogador foi um dos muitos a sair de campo machucado no sábado.
Foto: Adson Farias

NOTÍCIA | 04/04/2017 | POR: THYAGO PACHECO
EA volta de Joinville com goleada no placar e departamento médico lotado.

O clima amistoso que marcou a semana de preparação para a primeira partida do EA fora de casano campeonato parece ter ficado somente do lado alvi rubro. Apesar de levar para Joinville todos os jogadores que estavam a disposição, a diretoria juntamente com a comissão técnica trataram o jogo muito mais como uma oportunidade de passeio com os familiares do que tecnicamente um confronto duro. Talvez por conta das duas partidas anteriores contra a equipe local, onde o EA venceu sem muitas dificuldades. No entanto, o EA acabou surpreendido com um adversário reforçado na parte técnica e principalmente, sem receio algum de tornar o gramado um verdadeiro campo de guerra. Com muita violência e a ajuda nada discreta do árbitro, o Amigos da Bohemia impôs ao EA uma derrota no placar e um saldo pra lá de negativo no departamento médico.

Após uma longa viagem, o elenco do EA foi bem recebido em Joinville. Sua torcida foi gentilmente acomodada e os jogadores partiram para o aquecimento. A comissão técnica escalou o time, mas na preleção o discurso focava insistentemente em ver o jogo como um amistoso. Mas, sem ter nada a ver com isso, os jogadores do time da casa começaram a mil, pressionando a saída de bola do EA e apelando sempre que necessário (o tempo todo) para faltas com grau alto de violência. O primeiro a sofrer foi Deyvson, que após sofrer uma entrada criminosa na lateral do campo, deixou o campo sem ver seu agressor sequer ser advertido pelo árbitro.

Poucos minutos depois, em uma dividida no outro lado do campo, o volante Abacate se tornou mais uma baixa. Após cair em cima do ombro, o jogador deixou o campo com fortes dores e foi encaminhado imediatamente de ambulância para um hospital.

O EA ainda assim se comportava bem no jogo. Lutava contra a pressão do adversário e buscava construir jogadas apostando principalmente na velocidade de Lê Passos e Vini. O camisa 17 teve duas boas chances de marcar. Na primeira, tentou rolar para Thyago no meio da área, mas a bola desviou no adversário antes que chegasse no companheiro. Na segunda, após boa tabela, chutou sem ângulo e o goleiro conseguiu a defesa sem muitas dificuldades. Já Lê Passos protagonizou o lance que marcou o fim do primeiro tempo e consequentemente azedou de vez o clima com a arbitragem. Após fazer infiltração em velocidade, o camisa 7 fez a tabela e recebeu na entrada da área, onde foi puxado descaradamente até ir ao chão. O juiz não marcou o pênalti, não aplicou o cartão amarelo ao zagueiro - que seria o segundo, culminando em expulsão - e ainda por cima advertiu o atacante do EA por reclamação. Na cobrança da falta, Lê Cunha bateu mal e a bola foi pra fora.

Tentando resolver os problemas criados no primeiro tempo principalmente por conta das lesões de Deyvson e Abacate, a comissão técnica realizou uma série de mudanças táticas, buscando principalmente preencher os espaços dificultando os avanços do adversário pelas laterais, sempre municiados pelo hábil camisa 5. Mas a estratégia não surtiu o efeito necessário para impedir que o adversário abrisse o placar aproveitando o rebote de uma falta cobrada na área.

A desvantagem no placar obrigou o EA a partir para o ataque, mas o alvi rubro encontrava dificuldade em impor velocidade na transição. Diogo, que após dois anos afastado por lesão voltou ao time, naturalmente sofreu com a falta de ritmo e não conseguia fazer a bola passar em velocidade principalmente nos contra-ataques. Aos poucos o Amigos da Bohemia foi ganhando terreno e acabou chegando ao segundo gol.

A situação do EA se complicou ainda mais quando Vini resolveu reforçar o time do DM. Após arrancar em velocidade pela esquerda, o atacante alvi rubro voltou a sentir a lesão na panturrilha e precisou ser substituído. Após a expulsão de Betão, já na etapa final do jogo, o time ficou totalmente desconfigurado e o terceiro gol saiu quase que naturalmente.

Entre cada uma dessas jogadas, concentrava-se uma série de reclamações contra a arbitragem, que infelizmente teve participação direta no resultado do jogo, transformando o que deveria ser uma tarde de diversão em uma enorme frustração, com direito a arrependimentos.

Por fim, restou a comissão técnica fazer o balanço da partida e começar a planejar as próximas semanas.

- O erro foi todo nosso. Tratamos um jogo de futebol como uma brincadeira e pagamos por isso. Talvez tenha faltado um pouco de malícia da nossa parte, em levar em consideração que o adversário estaria engasgado com as duas goleadas que impusemos nos confrontos anteriores. A única coisa que lamento foi a arbitragem. Mas me resumo a dizer somente isso sobre esse assunto. Agora é avaliar os danos, pois estamos com algumas lesões que aparentemente, vão nos causar problemas imediatos e estudar como fazer para não perder o foco. A campanha é positiva e queremos manter isso.



Geovani | GOL 7,0
Fez boas defesas, não teve culpa em nenhum dos gols sofridos.
Dudu | LAD 7,0
Ficou isolado e não teve participação efetiva nas jogadas de ataque, porém deu força no setor defensivo.
Carlinhos | ZAD 7,0
Bom no posicionamento e desarmes. Sofreu com as saídas dos jogadores machucados e depois com a expulsão de Betão.
Luciano | ZAE 7,0
Furou na bola em algumas ocasiões, mas no geral foi firme e preciso. No fim do jogo foi para o gol e fez uma linda defesa.
Abacate | LAE 7,0
Vinha muito bem no jogo com velocidade e força na marcação, mas deixou o campo lesionado ainda no primeiro tempo.
Betão | VOL 7,0
Eficaz na saída de bola, mas sofreu com as saídas de Deyvson e Abacate o que o fez forçar a marcação que gerou a expulsão.
Deyvson | VOL 6,5
Vinha bem, mas jogou pouco tempo. Após uma jogada criminosa do adversário, deixou o campo lesionado.
Lê Passos | MED 7,0
Puxou diversos contra ataques, mas em nenhuma ocasião conseguiu concluir a jogada. Quando não foi parado com faltas, pecou no último passe.
Lê Cunha | MEE 7,5
No segundo tempo, quando o time estava desfigurado, foi fundamental jogando recuado e dando qualidade na saída de bola.
Vini | ATA 7,0
Ainda está longe do seu melhor rendimento. Teve uma boa chance, mas escolheu finalizar ao invés do passe, que seria a melhor opção.
Thyago | ATA 7,0
Conseguiu duas boas jogadas para Vini e Lê Passos, mas nenhuma resultou em gol. Buscou se movimentar mais e foi mais participativo.
Renê | ATA 6,5
Isolado no ataque, teve apenas uma boa chance, defendida pelo goleiro.
Adson | ZAG 6,0
Sentiu a falta de ritmo e no fim do jogo por pouco não viu uma desatenção sua resultar em gol do adversário.
Cris | LAE 5,5
Um pouco atrapalhado, caiu sozinho, perdeu a sola da chuteira e escapou por sorte de ser expulso após um carrinho perigoso no adversário.
Diogo | MED 6,5
Fora de ritmo, compensou na experiência e qualidade no passe. Faltou velocidade na transição.
Betinho | - 0,0
Não jogou.