Linha tênue

Luciano está preparado para a dura vida de goleiro no EA.
Foto: Marlon Silva

NOTÍCIA | 04/09/2016 | POR: THYAGO PACHECO
Luciano abre o coração e fala sobre a mudança constante do status de herói e vilão no EA.

Sem dúvida a posição no futebol que é capaz das maiores oscilações de opinião, é a de goleiro. O homem, que com uma defesa pode ganhar a alcunha de santo, pode acabar também marcado como vilão após uma falha. E no EA, o dono da posição não é imune a isso. Luciano recebeu nossa equipe e abriu o coração ao falar das alegrias e tristezas em defender a meta do EA.

O camisa 1 do EA estava no campo de treinamento 3 da Ferreira Lima quando a equipe de reportagem chegou. E tiveram que esperar, pois, mesmo com os campos vazios, o jogador permaneceu por aproximadamente uma hora treinando defesas e movimentos específicos junto ao preparador de goleiros do EA. Mesmo cansado, o jogador mostrou sua simpatia e tranquilidade característica para, ali mesmo, falar das suas emoções no time que defende há sete anos.

A HERANÇA

Luciano parece ser predestinado a carregar a fama de bombeiro. Acostumado a ser acionado para "apagar incêndios", o goleiro chegou ao EA em um momento delicado. Substituir Dko na meta alvi rubra. O ex-camisa 1, conhecido por seu jeito falador e de personalidade forte contrastava completamente com o jeito simples e discreto de Luciano, que precisou mostrar em campo que tinha a fibra necessária para fazer o torcedor do EA esquecer, mesmo que temporariamente, o "rei das cornetadas".

- Já estou acostumado (risos). Aliás, foi assim que conheci esse grupo, alguns anos antes mesmo de fundarem o Entre Amigos. Vim para "tapar um buraco" e fiz amizades que futuramente, me renderiam uma oportunidade para fazer parte desse clube tão incrível.

- Me lembro bem da minha primeira temporada como goleiro no EA. Fiquei preocupado, pois vinha de um longo tempo sem jogar no gol, apenas na linha. Mas acabou tudo dando certo e inclusive fui eleito como um dos destaques do time naquela ocasião. A partir dali todos, inclusive eu, passaram a ter mais confiança na minha qualidade como goleiro.

 

LESÕES

Luciano é um atleta com número baixíssimo de lesões, o que o permite ter uma continuidade e raramente ficar de fora de alguma partida. Porém uma vez, jogando na linha inclusive, Luciano sofreu uma grave lesão no joelho e precisou ficar de fora do time por quase um ano. E aquilo acabou ajudando na sua decisão sobre onde seguir jogando.

- Foi muito ruim. Eu nunca havia me machucado seriamente. Ficar um ano parado, só olhando, foi uma tortura. E o pior é que foi jogando na linha. A partir dali eu decidi que deveria era ser goleiro mesmo (risos).

A verdade é que com a saída de Dko do EA em 2015, Luciano se firmou de vez como goleiro alvi rubro e passou a sentir na pele todas as vantagens e desvantagens dessa gloriosa (ou ingrata) posição.

 

MOCINHO OU BANDIDO?

Luciano talvez seja a única pessoa dentro do EA capacitada para lidar com as dificuldades de defender a meta alvi rubra. Não somente pelos requisitos técnicos, mas principalmente pela forte pressão a que é constantemente submetido. O jogador vive diariamente com a rotina de ser exaltado em um dia, por defesas milagrosas e no outro, crucificado por um erro de cálculo ou falha de posicionamento. E haja tranquilidade para lidar com isso sem se abalar.

- Se eu falar que é fácil, estarei mentindo. Muitas vezes, após uma atuação ruim, você chega em casa e se questiona sobre a sua qualidade, se está realmente ajudando ou prejudicando o time. E em outras, quando você sai de campo sendo abraçado pelos colegas e ouvindo seu nome sendo gritado por todo um estádio, vem uma alegria, um orgulho que acaba fazendo entender que tudo faz parte da profissão. Eu escolhi estar aqui. Não foi por acaso e eu estou totalmente pronto para encarar qualquer crítica, sugestão, elogio ou incentivo. Desde que seja feito com educação e respeito, estou aberto a ouvir. Todos aqui temos família em casa e temos o direito de sermos tratados com dignidade. E sei que é o que acontece comigo aqui todos os dias. Eu sei o quanto me dedico ao meu trabalho e quanto amo esse clube. Não dá pra ser perfeito sempre, mas sei que o meu melhor eu sempre faço e continuarei fazendo para ouvir muito mais elogios do que críticas - declarou Luciano.

 

O fato é que existe, principalmente no povo brasileiro, uma urgência, um excesso de perfeccionismo no esporte, que se evidencia no futebol, certamente por ser o esporte que melhor lhe caracteriza. Luciano não é o primeiro, não será o último e não é o único a trabalhar todos os dias no "fio da navalha" que é a paciência de um torcedor apaixonado, que age de forma totalmente passional quando o assunto é o seu clube do coração. Mas durante essa conversa, pudemos ver um homem simples, humilde e apesar da discrição, bastante maduro e seguro de si. Certamente a relação de amor e ódio com o torcedor continuará, assim como a de todos os seus colegas de posição por todo o país. Mas uma certeza deve ser registrada: o torcedor do Entre Amigos conta com um goleiro tão apaixonado pelo clube quanto ele.